Menu

Aprofundamento da Fé

     Catequese
     Alicerce

Celebração da Fé

     Liturgia

Missão

     Conselho Pastoral
     Gestão da Casa
     Missões
     Cultura

Outras Opções

     Links
     Sugestões
     Envio de Notícias
     Livro de Visitas

Actividades realizadas - Testemunhos


Para um Comércio Justo – sensibilização de jovens

É sempre uma óptima experiência quando podemos transmitir a alguém um pouco do nosso conhecimento, daquilo que também nos foi ensinado. Esta actividade de sensibilização tinha como objectivo explicar um pouco como se processa e qual é a importância do Comércio Justo. Surgiu como forma de mostrar o que motivou o antigo grupo de Jovens pela Justiça e Paz do Prior Velho a desenvolver esta dinâmica na paróquia e de criar nos mais novos a vontade de dar continuidade ao projecto que foi desenvolvido.

Fazendo uma avaliação rápida, acho que a actividade não podia ter corrido melhor. A adesão e o interesse que os jovens do 7º ano da catequese demonstraram tornaram a actividade bastante leve e enriquecedora. O que mais marcou este encontro, na minha opinião, foi um jogo que fizemos com eles, em que cada um dos 6 grupos que se formaram encarnava um dos intermediários que fazem chegar um pacote de café a nossas casas. O objectivo era chegarmos a um acordo de modo a que cada um recebesse o valor justo pelo seu trabalho. Quase nunca se chega a um acordo, mas o que é facto e que eles conseguiram e com isto perceberam a importância deste movimento.

De um modo geral, e classificando esta acção de sensibilização de 0 a 10, penso que merece um 12, pela adesão, pela participação e pelo que foi transmitido. Penso que todos aprendemos um pouco, e a ideia principal que deve ficar para todos é que com o diálogo e boa vontade podemos fazer com que todos tenham o que é justo pelo trabalho que fizeram. Queria ainda deixar aqui um apelo à participação de todos nestas actividades do FALLAR, pois muitas vezes queremos ser mas activos e úteis para a comunidade e não sabemos como. Vale sempre a pena aprender para mais tarde sermos nós a ensinar.

José Carlos Duarte

Voltar para a página anterior